Embalagens sustentáveis mudam a maneira como as empresas pensam | Smurfit Kappa

Como podemos ajudá-lo hoje?

A sustentabilidade redefine o que é um bom negócio

Embalagens sustentáveis mudam a maneira como as empresas pensam

Com os consumidores a evitar produtos plásticos de uso único e as organizações a procurar maneiras de se tornarem mais responsáveis em termos ambientais, as embalagens podem ser a próxima grande oportunidade para a sustentabilidade global?

Bonita, prática, económica ou todas as três, a embalagem sempre teve como objetivo apresentar os produtos da melhor forma possível. Agora, há um novo adjetivo: a embalagem deve ser sustentável. O planeta precisa e os clientes querem - veja, por exemplo, as recentes mudanças drásticas nas atitudes em relação a garrafas de água e sacos plásticos.  

Os materiais usados para embalar os produtos são um dos símbolos mais visíveis da sustentabilidade. Os clientes percebem e as primeiras impressões contam. De acordo com uma nova pesquisa encomendada pela Smurfit Kappa e conduzida pela Longitude, nos últimos seis meses, mais de metade dos consumidores (55%) adquiriu um produto especificamente por ter embalagens reutilizáveis ou biodegradáveis.

As marcas sabem que a embalagem tem um profundo impacto no meio ambiente e nas decisões de compra. A Nestlé, por exemplo, criou o seu Institute of Packaging Sciences e lançou um fundo de capital risco para embalagens sustentáveis, dedicado a novos materiais de embalagem de grau alimentar, novos sistemas de entrega segura de alimentos, novas tecnologias de gestão de resíduos e capacidade em recolha de resíduos.

"Estamos a usar o nosso conhecimento científico em alimentos e a transferi-lo para o design de embalagens", diz Véronique Cremades-Mathis, Diretora Global de Embalagens Sustentáveis da Nestlé. “Queremos continuar a proteger os nossos produtos, garantir a segurança e qualidade, enquanto entendemos a interação entre produto e novos materiais. Isso levar-nos-á a novas soluções que atendem às nossas ambições de reciclagem. ”

O Instituto de Ciências da Embalagem da Nestlé, inaugurado em setembro de 2019, emprega 50 pessoas e está a trabalhar com parceiros académicos, fornecedores e start-ups para criar um forte portfólio de soluções de embalagens sustentáveis para os produtos da Nestlé em empresas e mercados. Alguns exemplos são o lançamento de embalagens de papel reciclável, como o pó de cacau Nesquik All Natural e o YES! Snack bars, desenvolvidas em menos de 12 meses.

Reação da cadeia de fornecimentos

Sustentabilidade e inovação são companheiros naturais. Segundo a pesquisa, em cerca de um terço das empresas, a sustentabilidade está a incentivar toda a área de pesquisa e desenvolvimento (37%) e em 33% destas o desenvolvimento de novos produtos.

Para a empresa global de soluções de embalagens sustentáveis Smurfit Kappa, este vínculo entre inovação e sustentabilidade pode filtrar toda a cadeia de fornecimentos. "Queremos produzir embalagens que ajudem produtores, retalhistas - e, finalmente, consumidores - a reduzir o seu impacto ambiental", diz Arco Berkenbosch, Vice-presidente de Inovação e Desenvolvimento da empresa.

Enquanto isso, a Carlsberg está facilitar aos seus gerentes a comparação das emissões de carbono de um tipo de embalagem com outro. “A capacidade de medir o máximo possível é importante para que possam informar as decisões corretas”, diz Simon Boas Hoffmeyer, Diretor Sénior de Sustentabilidade e Comunicações do Carlsberg Group.

A mudança para esse tipo de análise não surpreende quando as empresas estão a investir pesadamente em materiais de embalagem reciclados e biodegradáveis. Mas implementar práticas sustentáveis nessa área não é simples.

"Os requisitos em termos de velocidade de desenvolvimento e implementação nunca foram tão altos quanto são hoje", diz Berkenbosch. “Todas as partes interessadas têm uma opinião, uma diretriz ou um desejo para embalagens. Mas acredito firmemente na tecnologia da inovação. Se houver pressão suficiente, inventaremos soluções que nos ajudarão a resolver esse problema. ”

Para Berkenbosch, isto significa focar-se em três horizontes temporais: um a curto prazo na inovação de design, outro a médio prazo com ênfase na automação e na cadeia de fornecimento e uma visão a longo prazo no desenvolvimento de melhorias na funcionalidade do papel.

Um esforço coletivo

O progresso nas três frentes dependerá da educação. Por exemplo, um projeto piloto da Nestlé na Suíça, no qual os consumidores trouxeram os seus próprios recipientes para comprar alimentos para animais ou café a granel, mostra como a responsabilidade coletiva pode levar a mudanças reais.

"Explicamos como funcionava, mas tínhamos muitos consumidores com mais de 60 anos a dizer: 'Eu sei como isto funciona, costumava fazer isso em criança'", diz Cremades-Mathis. "É bom lembrar que algumas pessoas vêm de uma época em que não havia embalagens. Para outros, devemos perguntar como transmitimos o conhecimento para capacitá-los a escolher melhor, aprender a descartar os resíduos de uma maneira melhor e pensar de forma diferente sobre os seus padrões de consumo. ”

FAÇA O DOWNLOAD DO DOCUMENTO AQUI  

Relatório da pesquisa gratuito

A Smurfit Kappa trabalhou com o Financial Times para conduzir uma pesquisa para responder a algumas das principais questões sobre a sustentabilidade. Descubra como o efeito da sustentabilidade está a modelar os negócios para melhor e explore os novos itens obrigatórios dos negócios.

ADQUIRA SUA CÓPIA AGORA